Cientistas da Alemanha, França, Reino Unido e Brasil concordam que controle epidemiológico deve ser prioridade mundial


Hendrik Streeck, virologista Alemão e chefe do grupo de cientistas alemãs que combatem o coronavírus anunciou que o covid-19 não pode ser transmitido por meio de objetos caso haja um intervalo superior a 30 segundos, mas esta não foi a declaração mais surpreendente de Hendrik Streeck, em entrevista coletiva na Alemanha o Dr. Streeck surpreendeu a todos dizendo que ações de monitoramento epidemiológico poderiam ter controlado a propagação do vírus e que pelo menos 80% das mortes em todo o mundo poderiam ter sido evitadas com medidas simples e responsabiliza a China pela demora nas informações ao mundo. Fonte: Canal ZDF Alemão

Já o Nobel de Medicina francês Luc Montagnier causa ainda mais polêmica ao afirmar que o COVID-19 não veio de animais silvestres e sim de laboratório chinês e que a China propositalmente retardou as informações sobre o vírus, o médico francês vencedor do prêmio Nobel afirma que se a China tive informado a OMS ou a ONU a tempo os efeitos do vírus e dado detalhes sobre o seu contágio, as cidades ao redor do mundo poderiam ter se preparado com simples levantamentos epidemiológicos e evitado grande parte das mortes. Fonte: site francês Pourquoi doctor?

Karl Friston neurocientista inglês afirma que pelo menos algo entre 13 a19% é imune ao SARS-CoV-2, o neurocientista por meio de processos matemáticos e científicos afirma que jamais o vírus contaminaria a população inteira mundial e que por este motivo não viveremos a maior tragédia causada por um vírus na história. O neurocientista corroborando com seus pares francês e alemão afirma que países erraram na condução do combate e controle do vírus e que invés de exames rápidos com alto índice de ineficácia e contágio, seria melhor ter adotado imediatamente o isolamento social conjuntamente com pesquisas epidemiológicas para identificar contaminados, possíveis contaminados e grupos de risco, que desta forma segundo o neurocientista o SARS-CoV-2 já estaria sob controle na maioria dos países do mundo e as mortes reduzidas em 60 a 70%. Fonte: Frontliner Inglaterra

No Brasil o médico infectologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, graduado e pós-graduado pela Escola Paulista de Medicina – Universidade Federal de São Paulo Dr. Stefan Cunha Ujvari  lança o livro histórias das Epidemias, nele o Dr. Stefan que afirma os que os 3 cientistas internacionais disseram anteriormente, além de ressalvas sobre o contato com animais silvestres e até mesmo animais domésticos, o infectologista, lembra que a vigilância sanitária nunca foi tão atual e necessária, sugere protocolos rígidos sobre o contato, o transporte e o manuseio de animais silvestres sejam vivos ou mortos, lembra ainda que somente uma vigilância epidemiológica rígida e frequente pode evitar desastres como este, reforça a necessidade do isolamento social para o combate de qualquer pandemia, mas ressalta que seria muito mais barato e eficaz levantamentos epidemiológicos periódicos. O uso de barreiras sanitárias e pesquisas epidemiológicas são as armas mais eficazes e mais baratas contra doenças transmissíveis pelo contato e convívio social.

Na sua afirmativa convicta e vibrante durante a entrevista ele cita a Hanseníase nos tempos AC e DC, naquela época a ciência praticamente não existia comparada a hoje, mas souberam controlar a Hanseníase que era uma pandemia mundial e sem tratamento naquele tempo, apenas com visitas domiciliares e separação dos doentes dos sadios, isso pode parecer um pouco cruel, mas foi o que permitiu o planeta sobreviver a doença e isso nada mais é que controle epidemiológico, você primeiro identifica com a pesquisa, depois isola e cria barreiras sanitárias e trata dos doentes em isolamento, só devolvendo eles ao convívio social após a sua total recuperação.
Fonte:https://infectologiapaulista.org.br/noticia-da-spi.php?id=320&s=medico-infectologista-lanca-livro-historia-das-epidemias

Se isso fosse feito lá na China nem 20% da população mundial teria sido contaminada, se nos primeiros casos no Brasil isso tivesse sido feito não chegaríamos a 10mil mortos e economizaríamos bilhões de reais, mas infelizmente a virologia e infectologia são ciências desprezadas em todo mundo que talvez agora passem a ocupar o lugar de destaque necessário, porque outros vírus bem piores virão muito em breve! afima Dr. Stefan

O Dr. Stefan Cunha Ujvari em entrevista ao Jô Soares em 2002 alertava que algo como o que está acontecendo hoje iria ocorrer, desde aquela época ele alertava da necessidade da vigilância sanitária, da pesquisa epidemiológica e de barreiras sanitárias rigorosas em todo mundo no controle de acesso de animais domésticos e silvestres.